22.2.18

queselixeomedo,ok?

Sem título

para ti, o páragrafo mais confuso que escrevi:
às vezes é preciso esquecer a razão: saber só viver o sim. sim. eu sei. sou eu que te digo isto, sim. sim. sim. eu que sou incapaz de escolher um filme para ver em par ou o restaurante para o almoço sem ponderar todos os finais possíveis da minha escolha. depois no final, quando escolhemos as sobremesas, eu nunca tenho a certeza se foi a melhor a decisão: nunca sei se tomo as melhores decisões. eu sei que ninguém sabe, não retiro qualquer conforto nisso. eu sei é que aquele restaurante tem o melhor cheesecake, mas será que tu preferias um óptimo bolo de bolacha? com os sentimentos que tenho, eu tento sempre fazer o melhor que posso. arrisco muito. o meu coração (olha. coração e o estômago). o meu coração está sempre em jogo. muitas vezes, consequentemente, o dos outros também. talvez, o teu? diz que sim

(um páragrafo não chegou, toma outro: igualmente confuso)

às vezes, antes, demoro para tomar uma decisão. uma vez ofereceram-me dois embrulhos e disseram: escolhe um para abrir. foi uma longa tarde e eu já tinha passado há muito a idade dos porquês. // às vezes, agora, decido sem pensar. dou a mão. dou as risadas. as lágrimas. a vulnerabilidade. mas mais que isso tudo. as saudades. porra, as saudades. // às vezes, agora, quero tomar todas as decisões de coração. coração aberto.ferido.receoso. mas descobri que muitos coraçõs estão assim. então, sejamos mais gentis nas nossas decisões, mas por favor, não sejamos medricas. não sejas medricas. 

p.s.: tanto faz o cheesecake ou o bolo de bolacha. eu escolho a tua companhia. tu escolhes o restaurante. 

Copyright © gentesentada
Design by Fearne