31.12.17

adeus dois mil e dezassete

Não tinha reparado nisto mas o ano terminar logo a seguir ao Natal é meio caminho andado para tornar muito mais bonito, não? Ainda estou cheia dos bons sentimentos com que fui presentada neste Natal (como em todos os outros anos porque a minha família é muito especial) e decidi ir rever as memórias e acontecimentos dos anos e sinto-me uma sortura porque na balança da felicidade, os momentos menos saborosos, bem, nem entram na lista! Também percebi que este último ano dava dividir em três fases: um inicio em meio gás, na cidade de coimbra, muitos livros e zero internet ou televisão. um verão de tardes muito longas, pizza para o almoço e mais livros e esta última fase: licenciatura terminada e a terrível pergunta: o que queres ser?


No inicio do ano comecei com o cabelo curtinho, um projeto 52 weeks, 2017 (um auto-retrato por semana) mas não o conclui com sucesso. Quase-vivemos em coimbra, num T1 pequenino e muitas horas em salas de espera. Visitei a Figueira da Foz, já vos disse que gosto muito de praia no Inverno?


Continuou a existir um café por mês com os primos, hábito que celebrou o seu primeiro aniversário em Novembro e tem cumprido com o objectivo de nos aproximar a todos. Visitei a Manuela em Aveiro. Celebrei o meu vigésimo quarto aniversário rodeada de amigos & família. Consegui ter a sensatez de fechar portas a quem não merecia estar por perto e reforçar o contacto com as pessoas que me são mais queridas. Terminei uma relação de três anos que, felizmente, foi sendo substituída por uma amizade muito mais equilibrada, nem sempre o fim é o fim, nem sempre o fim é como esperamos.




Continuei a dar explicações, tendo multiplicado o número de meninos e descobri que é algo que me dá alguma alegria. Comecei a trabalhar algumas horas e alguns dias numa livraria (que é obviamente um sitio encantador para trabalhar). Desenvolvi alguns projetos e comecei a envolver-me mais com a costura (não tanto como queria, mas dois mil e dezoito que me aguarde). Passei grande parte do verão na companhia da Teresa no Estoril e fui apresentada à Ericeira e apaixonei-me um pouco. Um pouco muito.



Fiz as minhas primeiras publicações patrocionadas. Terminei a minha licenciatura em Artes Plásticas & Mutimédia. Comecei a procurar trabalho e até fui algumas entrevistas. Deixei crescer o cabelo e perdi peso. Comecei a fazer mais vídeos (muito devagarinho). Fotografei mais e mais pessoas. Iniciei o projeto Improváveis, que é um dos meus preferidos até ao momento. Experimentei novos restaurantes. Celebrei o verão e as noites longas. Experimentei comida mexicana (que não é de todo a minha preferida) e acabo o ano de coração de cheio. 

23.12.17

THE LAST INSTASTORIES | @martabeijinhos


22.12.17

série da semana: mindhunter




Ok, mais um original do Netflix: Mindhunter ~e não, não recebo nada em fazer publicidade constante ao netflix. pago a minha mensalidade todos os meses como qualquer comum mortal ~ Mas porque comecei a ver esta série? Bem, foi um amigo que falou a um amigo que falou um amigo e assim que me chegou aos ouvidos fiquei logo interessada. Algo que não sabem sobre mim é que vi todas as temporadas de Mentes Criminosas e volta e meia ainda me apanho a ver episódios repetidos. Assim, quando percebi que esta série seria como uma espécie de antecedente fiquei muito curiosa. Agente Ford e Bill Tench vão entrevistar e estudar alguns dos maiores criminosos da época para compreender a sua maneira de pensar e eventualmente prevenir e compreender alguns dos crimes, cool huh? 

Em 1977, Holden Ford, um negociador de reféns frustado, encontra um aliado improvável no agente veterano Bill Tench, com o qal estuda um novo tipo de assassino.

p.s.: e já foi anunciada segunda temporada! 


21.12.17

 
Depois de muito ter ouvido a Teresa falar sobre o livro O meu irmão, acabei por lhe dedicar algum tempo no verão. Conclusão? É no minimo um livro interessante e viciante e apreciei a escrita do autor. Fiquei  também surpreendida pois até quase ao fim pensei que apenas seria um relato da vida dos dois irmãos e afinal, espantem-se, tem principio, meio e fim. Não se torna o livro melhor ou pior, mas surpreendeu-me! Mas quem sou eu para falar de livros? Vejam o que a minha irmã tem a dizer no seu blog!

20.12.17

it's strange

IMG_9007IMG_9008

Heart been so cold that I don't feel at all
Scarred up inside so I built all these walls
Head rolling back, but I'm faking the rush
Out every night and I'm lonely as fuck

I make my rules and my own plans
I got no room for no man, that's my way
That's my way
Then I saw you in a dream right
I wanna call you
A kind of feeling, I can't name
I can't name

It's strange
But I don't need space from you
it's strange - louis the child

19.12.17

Is it too early to miss summer?

Sem títuloSem título

18.12.17

24 hours with me | video

16.12.17

Série da semana: Alias grace



Se tiverem o próximo fim-de-semana livre recomendo que dediquem algumas horas a ver Alias Grace uma minissérie de seis episódios original do netflix.
O jovem médico americano Simon Jordan chega à Penitencinária de Kingston, no Canadá, para estudar a mente desconcertante de Grace Marks, uma assassina condenada. 
A série é baseada no romance de Margaret Atwood publicado em 1996. A história é sobre o assassino de duas pessoas e apesar de não ter memórias do momento em que aconteceram os assassinatos Grace Marks e um outro homem são condenados pelos crimes. O homem, criado na casa onde Grace Marks também trabalhava, é condenado à morte e Grace é condenada a prisão pérpetua. A história é-nos contada pelas entrevistas e alguns flashbacks, o que faz com que fiquemos agarrados até ao final do último episódio para podermos decidir se acreditamos ou não em Grace e na sua inocência. 
Murderess is a strong word to have attached to you. It has a smell to it, that word - musky and oppressive, like dead flowers in a vase. Sometimes at night I whisper it over to myself: Murderess, Murderess. It rustles, like a taffeta skirt across the floor.

15.12.17

o jogo do anjo | mesinha de cabeceira

o jogo do anjo | mesinha de cabeceira

Depois de no inicio do ano ter lido A sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón (que está no meu top de recomendações) não consegui resistir em adquirir e ler todos os livros que pertencem ao Cemitério dos Livros Esquecidos. Seguiu-se o Jogo do Anjo na edição mais bonita, não é? Como já esperava Carlos Ruiz Zafón transporta-nos para uma história ideal para amantes de livros e escrita, com intrigas, amor e muito livro à mistura!

- Creio que tens talento e vontade, Isabella. Mais do que crês e menos do que esperas. Mas há muitas pessoas que têm talento e vontade, e muitas delas nunca chegam a nada. Esse é só o princípio para fazer qualquer coisa na vida. O talento natural é como a força de um atleta. Pode-se nascer com mais ou menos faculdades, mas ninugém chega a ser atleta apenas porque nasceu alto ou forte ou veloz. O que faz uma atleta, ou o artista, é o trabalho, o ofício e a técnica. A inteligência com que nascemos constituiu apenas as munições. Para conseguirmos fazer qualquer coisa com ela, é necessário transformarmos a nossa mente numa arma de precisão.
- E porquê a comparação bélica?
- Toda a obra de arte é agressiva, Isabella. E toda a vida de artista é uma pequena ou grande guerra, começando connosco e com as nossas limitações. Para chegar a qualquer coisa que nos proponhamos fazer são necessários primeiro a ambição e depois o talento, o conhecimento e, finalmente, a oportunidade. 
O jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón, pág. 202 

14.12.17

(RETRATOS) IMPROVÁVEIS #5

retrato improvavel, 5

Acho que podia fazer retratos improváveis para sempre. Tem sido uma animação conhecer novos espaços, novas pessoas e tenho gostado sempre dos resultados. Até agora, qual foi o vosso preferido? Vejam todos aqui!

* para quem só chegou agora aqui, os (retratos) improváveis é um desafio que me lanço de conseguir pelo menos um retrato em locais que à partida não se revelam muito fotogénicos. Engraçado não? Sempre foi algo que eu quis fazer e agora que me meti nisto espero estar à altura *
  retrato improvavel, 5retrato improvavel, 5 retrato improvavel, 5 retrato improvavel, 5 retrato improvavel, 5 retrato improvavel, 5retrato improvavel, 5 retrato improvavel, 5 retrato improvavel, 5 retrato improvavel, 5

13.12.17

fugir

Sem título

no outro dia alguém me deu um caderno novo. digo isto assim como quase não fosse nada, mas foi. não foi num dia qualquer, foi no meu aniversário & não foi um alguém perdido, mas sim uma das minhas pessoas. estendeu-me embrulhado um novo caderno. todas as folhas vazias para deixar correr livre a imaginação, a inspiração. a capa mais amorosa, tu sabes, exatamente como eu gosto. em tons azuis, pássaros e corações. guardei-o porque não sabia o que escrever, tinha o receio de o estragar com coisas menos bonitas. até que um dia sonhava acordava (algo em que sempre perdi muitas horas) e o meu olhar encontrou o caderno perdido na mesinha de cabeceira. não te sei dizer ao certo quanto tempo fiquei perdida entre palavras, mas decidi escrever nele todas as coisas que queria esquecer & guardar sobre ti, deixar o coração ser livre durante um pouco. no final, arrumei-o no fundo do baú das memórias. agora o amor é assim: toca e foge, antes que comece a doer. 


call time, yeah it's easier to hide in the darkness sometimes
oh I gotta take control, oh I gotta let you go now

12.12.17

always tired | life lately

Sem título

banda sonora: a minha playlist just kiss the girl
a ler: (ainda) O ambicioso Senhor Parker de Mavis Cheek
a ver: Dark T1
ansiosa: comprar as prendas de natal
novidade: sem dor de dente, finalmente!

11.12.17

DIA NOVE





cada vez que alguém escreve 'corrige as afirmações falsas sem recorrer à negativa' percebe mais uma vez como os miúdos nos estão sempre a tentar dar a volta. 

7.12.17

os defeitos das qualidades


sendo sempre tão consciente dos meus defeitos e qualidades só me falta decidir se vou salvar crianças ou ser a próxima ditadora. 

3.12.17

SÉRIES PARA RELAXAR






Sabem aquelas séries que gostamos de ver ao final do dia, especialmente aqueles dias super cansativos em que só queremos desligar por um bocadinho? Bem, eu tenho uma lista de séries especiais para esses dias: The good place, The Simpsons, The Modern Family & How I met your mother. Todas leves e com muito humor à mistura. 

2.12.17

(RETRATOS) IMPROVÁVEIS #4

retrato improvável, 4

Mais um retrato daquele que tem sido o meu projeto preferido: improváveis. Já vamos no quarto e desta vez tive a companhia da Inês e fomos até uma igreja meia-acabada. Meio estranho eu sei, mas a minha fotografia preferida é esta do top, tenho gostado de procurar estes cantos de luz. 

p.s.: Para quem só chegou aqui agora, improváveis, é um projeto fotográficos em que a ideia principal é conseguir um retrato em locais que à partida não se revelam assim tão interessantes.
p.s.: Algures em Dezembro publico um vídeo que fiz durante estas fotografias, sim?
  retrato improvável, 4retrato improvável, 4retrato improvável, 4 retrato improvável, 4 retrato improvável, 4 retrato improvável, 4 retrato improvável, 4 retrato improvável, 4 retrato improvável, 4 retrato improvável, 4 retrato improvável, 4 retrato improvável, 4

1.12.17

elogios vs críticas

Sem título

não sei, nunca soube, como reagir a elogios. parece-me inevitável ficar envergonhada a a par disso fico sempre na defensiva. afinal o que queres de mim? penso. sempre. e sempre fui assim. ao longo dos anos dei-me ao luxo e cedi ao prazer de acreditar numa mão cheia de elogios e o resto coloquei para o lado. pensariam que não acreditando nas coisas positivas que terceiros pensam sobre mim que levaria com calma as críticas, certo? mas antes pelo o contrário. acreditei e levei a sério tudo o que de negativo já foi dito sobre mim, mesmo quando duvidei das intenções das pessoas, mesmo quando foram proferidos a meio de enormes discussões e raiva, mesmo quando sabia que era mentira. acreditei, recordo e levo comigo em tudo o que faço e sou. 
Copyright © gentesentada
Design by Fearne